Aqueça a água! Conheça os benefícios dos chás.

918340_83786598 (1)

Não existe uma comprovação exata da origem do chá. A mais provável é que seu início se deu no oriente e depois difundido pelos portugueses e ingleses. O fato é: com a chegada do inverno, seu consumo aumenta. Pode ser tomado de manhã, tarde e de noite, pois não há contraindicação. O mais interessante é se atentar aos seus benefícios: é diurético; possui propriedades antioxidantes; previne diabetes; diminui os sintomas da TPM; e ainda acalma.

Entretanto, para obter todas estas vantagens, importante entender todas as propriedades de cada tipo de chá. Dentre os mais conhecidos estão: camomila, chá verde, chá-mate, chá preto e erva-cidreira.

A camomila é famosa pelos seus efeitos calmantes, ajuda a dormir e ter noites agradáveis de sono. Também é recomendado para quem sofre de crises nervosas e de ansiedade.

O chá verde, também conhecido pelos orientais como banchá, possui uma lista imensa de benefícios: suas propriedades antioxidantes são capazes de retardar rugas, como também previne inflamações. Há pesquisas que mostram que protege a pele contra raios UVB.

O chá mate, famoso pelo chimarrão no Sul do Brasil, combate o colesterol ruim em até 12%, como também o envelhecimento precoce.

Importante deixar claro: o chá não pode ser usado como remédio. Em caso de dores, procure um médico. Também se atente a origem da matéria-prima, pois pelo contrário podem trazer danos e não benefícios.

Patrícia B. Teixeira
Equipe Monday Academia

Chia: a queridinha da vez!

Quando o assunto é dieta e perda de peso, tem sempre alguma novidade que invade as revistas e sites do gênero e nos enchem de esperança. A bola da vez é uma semente mexicana mais poderosa do que a linhaça e que pode ser consumida em forma de grão, farinha ou óleo. Ela possui itens importantes como ômega-3, cálcio, fibras e ferro e promete desintoxicar o organismo e ainda mandar aquela fome que insiste em nos atrapalhar para longe.

Bom, menos fome e organismo em dia são condições ideais para a perda de peso, mas o que será que torna a chia a escolha nacional do momento? Pra começar, os resultados do seu consumo não se limitam apenas a balança. Pesquisas apontaram recentemente que adotá-la em determinadas quantidades ajuda a diminuir os níveis de estresse, reduz o diabetes, deixa e pele mais bonita e também pode ser aliada no tratamento do câncer de mama. Enfim, são só benefícios para os sedentários e, principalmente, para quem não perde um dia de academia.

Quer mais motivos para colocá-la na lista de compras do mês?

– 25g de chia tem cerca de 20% das nossas necessidades diárias de cálcio.
– É excelente para quem quer músculos, já que tem altos níveis de proteínas.
– Uma porção de chia tem mais de 60% das necessidades diárias de manganês.
– 27% das nossas necessidades diárias de magnésio, mineral responsável pelo funcionamento do cérebro.

*Por ser calórico, o consumo da chia deve ser orientado por nutricionistas. Ingerir a quantidade indicada para cada um é o segredo para bons resultados.

Ana Carolina Souza
Equipe Mondayacademia.wordpress.com

As diferenças entre massa magra e massa gorda

Muitos podem não saber, mas os números que aparecem na balança não são, independente se bons ou ruins, tão simples. O total é composto por massa magra, massa gorda e água corporal. Quem treina e busca bons resultados, sabe da importância de cultivar o aumento da massa magra e ao mesmo tempo fazer com que o corpo detone muita da tão temida massa gorda, ou melhor, gordura.

Essa massa indesejada, no entanto, tem lá sua importância. No organismo, índices adequados da gordura são fundamentais para diversas ações do nosso corpo, entre elas a síntese de hormônios, transmissão de impulsos nervosos e, o mais importante, reserva de energia.

O problema, no entanto, mora no excesso dessa gordura. Quando acumulamos muito desse tipo de massa, temos mais probabilidade a desenvolver doenças. Hipertensão, diabetes e alterações no colesterol são só algumas delas.

Já a nossa querida massa magra, formada por vísceras, músculos e ossos, é excelente. Este, sim, é um número que devemos querer ver crescer. Se desenvolvidos e estimulados, os músculos colaboram para que a queima calórica aumente e, mesmo em repouso, mantenha essa atividade.

Exatamente, quanto mais exercitados os músculos, melhor. Quem tem bons níveis de massa magra, como conseqüência de boa alimentação e atividades físicas regulares, tem menos chance a desenvolver problemas de flacidez e com o peso.

Saiba quais são os níveis dessas massas para o seu corpo e fique atento ao que precisa ser mudado… Seja na alimentação ou nos treinos.

Ana Carolina Souza
Equipe Mondayacademia.wordpress.com

Aula de Boot Camp invade unidades da Monday

Depois de virar hit na unidade Plaza Sul, as aulas de Boot Camp se preparam para invadir as demais unidades da Monday Academia. Baseada em treinamentos militares, a novidade promete ritmo intenso, frequência cardíaca elevada e queima calórica idem. Cada hora de atividade pode limar até 400 calorias. De caráter aeróbico, o Boot Camp é considerado também um complemento da musculação – trabalha força, definição muscular e resistência, inclusive de grupos musculares pouco utilizados.

Divididas em estações, a aula apresenta até oito diferentes propostas de trabalho – cada uma focada num específico grupo muscular. São diferentes possibilidades de corridas, agachamentos, flexões, saltos em steps etc. Os diferentes estímulos se alternam a partir de comandos de voz ou apitos – esqueça as coreografias e passinhos ritmados.

Segundo Anderson Vieira, coordenador técnico do Plaza, a elevada intensidade e demanda física do Boot Camp o torna pouco indicado a pessoas hipertensas, diabéticas, com restrito preparo físico ou outras limitações médicas.

Edson Raphael
Equipe mondayacademia.wordpress.com

Pesquisadores criam novo índice para calcular obesidade

O Índice de Massa Corporal (IMC) é usado para medir o grau de magreza ou obesidade de uma pessoa. Saber sobre a obesidade de uma população é importante em termos de saúde pública. Pois trata-se de fator de risco para doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, hipertensão e câncer.

Devido a algumas falhas encontradas no processo de medição do IMC, como não levar em consideração o sexo ou a massa muscular de cada indivíduo (mulheres têm mais gorduras; e músculos pesam mais que gorduras) e também não ser adequado para menores de 18 anos, oito pesquisadores liderados por Richard Bergman, da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles, criaram um novo método chamado Índice de Adiposidade Corporal (IAC). O IAC usa uma equação e apenas duas medidas – a circunferência do quadril e a altura da pessoa- para chegar à porcentagem de gordura no corpo.

Márcio Scomparim, técnico gerente da Monday Academia, acredita que para fins recreativos em indivíduos saudáveis o método antigo pode ser realizado sem problemas, mas para os indivíduos em que a atividade física vai além, deve-se observar cada um com particularidades fisiológicas. “Cada indivíduo tem sua particularidade e não podemos ignorá-las em casos em que a saúde venha em primeiro plano ou a performance da conquista de um recorde esteja em jogo”.

Bergman e os colegas testaram várias equações para checar qual corresponderia melhor à realidade. Eles tinham a porcentagem de gordura no corpo de duas populações estudadas anteriormente, uma de 1.733 americanos descendentes de mexicanos, outra de 223 afro-americanos.
A gordura foi medida por uma técnica de raio-X, a DXA (sigla em inglês para Absorciometria de Raios-x de Dupla Energia). A fórmula conseguiu prever com precisão a gordura corporal nos casos acima de 20%, nos casos de gordura de 25% a 30%, a precisão foi total, tendo 0% de erro na estimativa. Apenas nos casos de adiposidade abaixo de 10% a equação não foi precisa, indicando um erro de 17,4% a mais de gordura.

Mesmo que os autores do estudo reconhecem que é preciso mais medidas e de diferentes populações para validar o novo índice, Márcio apóia os avanços das tecnologias disponíveis e os métodos de medição reconhecendo a importância para o desenvolvimento da prevenção á saúde e longevidade do individuo.  

Mônica Francesco
Equipe Mondayacademia.wordpress.com com informações retiradas do site www1.folha.uol.com.br

Monday na Revista Malu

A edição dessa semana da Revista Malu traz uma série de exercícios que podem auxiliar as pessoas a combaterem doenças como dor de cabeça, retenção de líquidos, bronquite, diabetes e depressão. A série foi orientada por três professores da Monday: Isaias Rodrigues, da unidade eTower; André Della Creche, da unidade Plaza Sul e Eliana Cunha da Silva, da unidade Centro Empresarial (Cenesp).

Por July Stanzioni

Equipe MondayAcademia.wordpress.com

A ciência do mel

Mãe é mãe. Ok! Isso é clichê, mas como elas são sábias. Desde criança a ouço dizendo: “É importante ter própolis em casa”. Eu achava que era apenas para ajudar a ‘curar’ um corte aqui, outro ali e de não deixar a garganta irritar com uma possível gripe, ledo engano.

Pesquisa da Escola de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP demonstrou que o CAPE, substância extraída da própolis é um composto fenólico que possui várias atividades biológicas, como ter efeito entiinflamatório e antimicrobiano.

Sendo assim, o CAPE poderá combater a formação de radicais-livres que são associados à obesidade e doenças como diabetes do tipo 2, além de hipertensão. Segundo a pesquisadora Aline Camila Caetano, como em um quadro de obesidade há um aumento de glicose e de ácidos graxos, há um aumento também na produção de Espécies Reativas de Oxigênio (ERO), além dos radicais livres e, a consequencia deles pode ser alguma doença com relação a resistência à insulina, diabetes do tipo 2, sem contar o risco de problemas cardivasculares.

Vale lembrar – A pesquisa ainda está em fase de conclusão, por isso há necessidade de novos experimentos antes da utilização em seres humanos. Porém, é interessante saber que a natureza nos reserva boas escolhas.

Por isso, não perca tempo… Mexa-se!

Por July Stanzioni

Equipe MondayAcademia.wordpress.com