Pesquisadores criam novo índice para calcular obesidade

O Índice de Massa Corporal (IMC) é usado para medir o grau de magreza ou obesidade de uma pessoa. Saber sobre a obesidade de uma população é importante em termos de saúde pública. Pois trata-se de fator de risco para doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, hipertensão e câncer.

Devido a algumas falhas encontradas no processo de medição do IMC, como não levar em consideração o sexo ou a massa muscular de cada indivíduo (mulheres têm mais gorduras; e músculos pesam mais que gorduras) e também não ser adequado para menores de 18 anos, oito pesquisadores liderados por Richard Bergman, da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles, criaram um novo método chamado Índice de Adiposidade Corporal (IAC). O IAC usa uma equação e apenas duas medidas – a circunferência do quadril e a altura da pessoa- para chegar à porcentagem de gordura no corpo.

Márcio Scomparim, técnico gerente da Monday Academia, acredita que para fins recreativos em indivíduos saudáveis o método antigo pode ser realizado sem problemas, mas para os indivíduos em que a atividade física vai além, deve-se observar cada um com particularidades fisiológicas. “Cada indivíduo tem sua particularidade e não podemos ignorá-las em casos em que a saúde venha em primeiro plano ou a performance da conquista de um recorde esteja em jogo”.

Bergman e os colegas testaram várias equações para checar qual corresponderia melhor à realidade. Eles tinham a porcentagem de gordura no corpo de duas populações estudadas anteriormente, uma de 1.733 americanos descendentes de mexicanos, outra de 223 afro-americanos.
A gordura foi medida por uma técnica de raio-X, a DXA (sigla em inglês para Absorciometria de Raios-x de Dupla Energia). A fórmula conseguiu prever com precisão a gordura corporal nos casos acima de 20%, nos casos de gordura de 25% a 30%, a precisão foi total, tendo 0% de erro na estimativa. Apenas nos casos de adiposidade abaixo de 10% a equação não foi precisa, indicando um erro de 17,4% a mais de gordura.

Mesmo que os autores do estudo reconhecem que é preciso mais medidas e de diferentes populações para validar o novo índice, Márcio apóia os avanços das tecnologias disponíveis e os métodos de medição reconhecendo a importância para o desenvolvimento da prevenção á saúde e longevidade do individuo.  

Mônica Francesco
Equipe Mondayacademia.wordpress.com com informações retiradas do site www1.folha.uol.com.br

Anúncios

No dia nacional do Futebol descubra a importância deste esporte.

A prática de exercícios físicos gera benefícios para a saúde do corpo e da mente. Dentre as diversas atividades físicas, o futebol ainda é o principal responsável pela soma de benefícios e bem-estar.
Esse esporte tão praticado no país gera recursos satisfatórios como o aumento de massa muscular, fortalecimento dos músculos, melhora na resistência física, eliminação de estresse e principalmente perda de calorias. Para uma pessoa que pesa 80 Kg, a disputa de um jogo de 90 minutos gera uma perda de 840 calorias. Um resultado satisfatório para quem realiza a atividade regularmente.

A fórmula usada representa a multiplicação entre a intensidade do exercício, a duração da partida e a massa corporal utilizada.
O futebol para gerar resultados também necessita de alguns cuidados próprios do praticante, tais como uma boa hidratação antes, durante e após as atividades, um bom alongamento antes e após cada partida, uma boa respiração e principalmente uma boa injeção de carboidratos, pois eles são combustíveis necessários para os músculos e para o cérebro.

Marcelo Toretta
Equipe mondayacademia.wordpress.com